Cada vez mais, quem contrata deseja contratar bem, mas o que é contratar bem?
Contratar bem é mais do que apenas achar o candidato com os conhecimentos, habilidades e atitudes desejadas, o famoso CHA, mas é também encontrar alguém com o perfil comportamental desejado.

Mas o que é isso?

Perfil comportamental tem a ver com o que é a pessoa naturalmente. Por exemplo, há pessoas que são multitarefas naturalmente, gostam de fazer várias coisas ao mesmo tempo, sentem-se bem fazendo isso e tem um bom desempenho desta forma. Por outro lado, há pessoas que gostam de fazer uma coisa por vez e só desta forma conseguem ter desempenho, rendimento e entregas à altura do que são capazes.

Mas qual dos dois estilos é o melhor?

Não há melhor ou pior, há apenas aqui dois perfis comportamentais distintos, onde um deles é mais indicado para algumas tarefas e outro para outras tarefas.
Por exemplo, se você procura um programador, tenderá a buscar alguém mais focado, alguém que não se distraia facilmente, que tenha foco, atenção e capacidade de permanecer muito tempo “olhando” para uma mesma direção, que seja capaz de se aprofundar num tema, de modo a resolver problemas complexos e desenvolver um bom sistema, um bom aplicativo, etc.

Mas se você procura uma secretária, talvez um perfil multitarefa seja o mais indicado, pois não será incomum ela estar ao telefone ao mesmo tempo em que alguém chega para falar com ela, tudo isso enquanto ela guarda ou arruma algo em sua mesa, administrando várias coisas simultaneamente.

Percebendo isso, os profissionais de RH sabem que é fundamental adequar o perfil comportamental do candidato ao perfil comportamental da vaga, de modo a ter candidatos totalmente aderentes aos comportamentos que a função exige.

Mas como descobrir o perfil comportamental de cada pessoa?

Há algumas maneiras, mas uma das metodologias existentes tem se destacado neste sentido.

Em 1928, William Moulton Marston, que já havia criado os princípios do detector de mentiras, dentre outras coisas, lançou o livro As Emoções das Pessoas Normais, em que expôs uma teoria sobre o comportamento humano das pessoas normais, dividindo o comportamento em quatro facetas: Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade (Dominance, Influence, Steadiness e Conscientiousness). A partir das letras iniciais das palavras que nomeiam estas facetas em inglês, a metodologia hoje é amplamente conhecida como D.I.S.C.

Atualmente esta metodologia é utilizada no mundo todo como base para que pessoas possam conhecer a si mesmas, assim como conhecer melhor outras pessoas.
As quatro dimensões do comportamento segundo o D.I.S.C. podem ser agrupadas em uma grade, sendo os quadrantes superiores ocupados pelos padrões “D” e “I” (representando os perfis mais ativos) e “C” e “S” abaixo (representando os perfis mais receptivos). “D” e “C”, em seguida, compartilham a coluna da esquerda e representam estilos mais focados em tarefas e resultados, enquanto “I” e “S” compartilham a coluna da direita e representam estilos mais voltados a pessoas. Nesta matriz, a dimensão vertical representa um fator de comportamento ativo ou comportamento receptivo, enquanto a dimensão horizontal representa “ambiente percebido como desfavorável” versus “ambiente percebido como favorável”.

Dominância
Pessoas com alta pontuação no fator “D” são muito ativas ao lidar com problemas e desafios. Descritas como egocêntricas, diretas, ousadas, dominadoras, exigentes, enérgicas, determinadas. Já baixas pontuações “D” indicam pessoas mais moderadas e conservadoras, descritas como discretas, realistas, conservadoras, pacíficas, precavidas e modestas.
Influência Pessoas com altos índices de “I” gostam de influenciar os outros por meio de conversas e atividades e tendem a ser emocionais. São descritas como entusiastas, persuasivas, convincentes, amistosas, comunicativas, confiantes e otimistas. Já aqueles com baixos índices de “I” influenciam mais por dados e fatos e não com sentimentos, sendo descritos como reflexivos, seletivos, factuais, recatados, desconfiados, pessimistas.

Estabilidade
Pessoas com altos índices em “S” apreciam um ritmo constante, segurança e não gostam de mudanças súbitas. São indivíduos descritos como pacientes, confiáveis, calmos, leais, persistentes, gentis, previsíveis. Já baixos índices em “S” estão relacionados ao apreço por mudanças e variedade e tais indivíduos são descritos como alertas, inquietos, impetuosos, espontâneos, impacientes e até mesmo impulsivos.

Conformidade
Pessoas com altos índices em “C” valorizam regras, regulamentos e estrutura. Gostam de atuar com qualidade e fazer certo desde a primeira vez. São descritas como disciplinadas, cautelosas, sistemáticas, precisas, analíticas, perfeccionistas e lógicas. Já os com baixos índices em “C” tendem a desafiar regras e buscam independência. São descritos como independentes, obstinados, voluntariosos, teimosos, rebeldes, arbitrários e indiferentes a detalhes.

Tudo isso tendo sido posto, podemos agora facilmente perceber como é importante adequar o candidato ao perfil do cargo.
Por exemplo, se precisar de alguém para a área de Marketing, dificilmente contratará um ALTO C, mas dará preferência a um BAIXO C, alguém que tenderá a ser mais criativo.
Já uma pessoa do departamento financeiro precisará ser um ALTO C, pois é uma pessoa que precisa por demais seguir regras e ser orientado a elas.
Desta forma, o famoso CHA (Competências, Habilidades e Atitudes) ganha agora um novo aliado na busca pelo candidato com o perfil comportamental ideal, que pode ser medido pela metodologia D.I.S.C.

Mas por que dizer tudo isso para você, candidato?

É importante perceber que o D.I.S.C. também é ótimo para o candidato, pois este terá melhor desempenho e se sentirá muito mais feliz trabalhando com algo que esteja alinhado com seu perfil comportamental.

E você, já conhece seu perfil comportamental?

A Curriculum é a única plataforma do mercado que tem uma solução com a metodologia D.I.S.C. 100% integrada ao sistema.

Para quem se cadastra na Curriculum, o último passo do cadastro do currículo é um questionário comportamental da metodologia D.I.S.C. da DomIneSCo. Não deixe de preencher seu perfil D.I.S.C., pois na Curriculum, as empresas podem buscar candidatos utilizando o perfil comportamental D.I.S.C.

E se puder, adquira o relatório do seu perfil e compreenda melhor seu perfil comportamental juntamente com seus pontos fortes e fracos, sabendo onde irá desempenhar melhor e onde terá perda de performance. Mais uma vantagem é que você poderá prever, antes mesmo de passar por avaliações D.I.S.C. em processos seletivos nas empresas, quais são seus resultados na avaliação.

Candidatos que melhor conhecem todas as etapas do processo têm mais chances de se recolocar mais rapidamente. O D.I.S.C. é uma avaliação muito comum nos processos seletivos das empresas. Conhecer seus resultados antecipadamente é uma forma de compreender melhor sua posição em processos como estes.

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry
92

Comentários

comentários