Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) é o vestibular mais importante do Brasil. A prova dá acesso ao ensino superior em universidades federais e privadas, sendo também utilizada como critério de seleção para bolsas no ProUni (Programa Universidade para Todos). Mas você já parou para entender como funciona o Enem, o que é avaliado e quais são suas etapas? A gente te explica!

Quando o Enem começou?

O exame nasceu em 1998 com o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Em 2009 passou a ser também um processo seletivo que cobre todo o país para instituições federais ou programas do governo.

Segundo o MEC (Ministério da Educação), cerca de 500 universidades já usam o Enem em suas seleções, seja complementando ou substituindo o vestibular.

Quem pode se inscrever no Enem?

De acordo com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), qualquer pessoa pode fazer o Enem. Entretanto, o uso dos resultados é diferente para cada público.

Só podem usar as notas para acesso à educação superior os participantes com mais de 18 anos no primeiro dia de aplicação do exame e que tenham concluído o ensino médio (em ano anterior ao da edição da prova).

Candidatos com menos de 18 anos e que estejam matriculados  no 1º ou 2º ano do ensino médio são considerados “treineiros”. Esses participantes podem fazer o exame apenas para autoavaliação.

Adultos submetidos a penas privativas de liberdade e adolescentes sob medidas socioeducativas que incluam privação de liberdade (Enem PPL) também podem realizar o exame.

A inscrição é gratuita?

Os candidatos que se encaixam em uma das quatro situações abaixo podem solicitar a isenção da taxa de inscrição, ou seja, não pagam nada para prestar a prova. Veja quem tem direito à gratuidade:

  • O participante que estiver cursando a última série do ensino médio no ano da edição do Enem, em qualquer modalidade de ensino, em escola da rede pública declarada ao Censo Escolar;
  • O participante que obteve a certificação de conclusão do ensino médio por meio  do Encceja (Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e Adultos) no ano anterior ao da edição da prova;
  • O participante que concluiu todo o ensino médio em escola da rede pública ou como bolsista integral na rede privada e tenha renda per capita igual ou inferior a um salário mínimo e meio;
  • O participante que declare estar em situação de vulnerabilidade socioeconômica por ser membro de família inscrita no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais). É considerada família de baixa renda aquela com renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal de até três salários mínimos.

Como é a prova do Enem?

Para entender como funciona o Enem, é essencial estar por dentro da estrutura da prova. A proposta é avaliar o estudante pelo raciocínio, interpretação e domínio de todo o conteúdo ministrado no ensino médio. Os inscritos realizam os testes durante dois domingos consecutivos.

No primeiro dia do exame são aplicadas as provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Redação; e Ciências Humanas e suas Tecnologias. A aplicação tem cinco horas e trinta minutos de duração.

No segundo dia são aplicadas as provas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias, e Matemática e suas Tecnologias. A aplicação tem cinco horas de duração.

Cada prova objetiva tem 45 questões. São, portanto, 180 questões de múltipla escolha no total. Cada questão da prova objetiva tem cinco opções de resposta e apenas uma resposta correta.

O que é avaliado no Enem?

O Inep explica que as Matrizes de Referência do Enem indicam quais habilidades serão cobradas nas questões das quatro áreas do conhecimento:

  • Linguagens, Códigos e suas Tecnologias: língua portuguesa, literatura, língua estrangeira (inglês ou espanhol), artes, educação física, e tecnologias da informação e comunicação.
  • Matemática e suas Tecnologias: matemática.
  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias: química, física e biologia.
  • Ciências Humanas e suas Tecnologias: geografia, história, filosofia e sociologia.

O que você pode fazer com a sua nota?

É possível utilizar os resultados individuais do Enem para o acesso ao ensino superior, além de programas de bolsas e financiamento estudantil em universidades particulares. Confira as opções:

Sisu (Sistema de Seleção Unificada)
Gerenciado pelo MEC, o estudante pode concorrer a vagas em instituições públicas de educação superior por meio da plataforma do Sisu.

ProUni (Programa Universidade para Todos)

Programa do governo federal que concede bolsas de estudo integrais e parciais de 50% em instituições privadas de educação superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

FIES (Fundo de Financiamento Estudantil)

Também do MEC, o programa financia cursos do ensino superior de estudantes matriculados em instituições particulares. Há diferentes modalidades, possibilitando juros zero ou uma escala de financiamentos que varia conforme a renda familiar do candidato.

Estudar em instituições portuguesas

Estudantes que realizaram o Enem poderão também tentar uma vaga em universidades de Portugal, sem necessidade de um novo vestibular.

Agora que você já sabe como funciona o Enem, compartilhe com os amigos e se inscreva na próxima edição!

Fonte: CatracaLivre

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários