Passado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), muitos estudantes ainda têm pela frente a primeira fase da Fuvest, vestibular que seleciona candidatos para a Universidade de São Paulo (USP). A prova será aplicada neste domingo (25) em 35 cidades do Estado de São Paulo.

A edição de 2019 conta com 127.786 inscritos, incluindo treineiros, alunos que ainda não concluíram o Ensino Médio.

Estão em disputa 8.362 vagas distribuídas em 183 cursos de graduação. Outras 2.785 vagas são oferecidas via Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Ministério da Educação (MEC), que utiliza o Enem.

As três carreiras mais concorridas no vestibular são de Medicina nos três campi: São Paulo (115,2 candidatos por vaga), Ribeirão Preto (108,7) e Bauru (86,9), respectivamente. A concorrência dos demais cursos pode ser conferida neste link.

A prova tem 90 questões de múltipla escolha sobre todas as disciplinas do Ensino Médio, sendo algumas interdisciplinares, que deverão ser respondidas em cinco horas de duração. Os candidatos que acertarem menos de 30% da prova, o equivalente a 27 questões, não serão classificados para a segunda fase. Nesta primeira etapa não há redação.

Confira sete dicas para ter sucesso nesta primeira etapa da Fuvest.

Resolva os exercícios de provas antigas

Diferentemente do Enem, a prova da Fuvest é mais “conteudista”, ou seja, cobra mais conceitos, fórmulas e demais itens que não podem ser resolvidos com interpretação de texto ou raciocínio lógico.

Por isso, é importante pegar as edições anteriores, resolver os exercícios e entender o modelo da prova, segundo Tony Manzi, diretor e professor do Cursinho Maximize. As provas podem ser encontradas no site da Fuvest.

A estratégia também é recomendada por quem já passou pelo processo seletivo e garantiu uma vaga na USP, como Johnatan Padovez, de 21 anos, que cursa Medicina, e Mariana Barbosa, de 24 anos, que estuda Letras.

Padovez, que preside o Med Ensina, cursinho pré-vestibular gratuito que atende 260 alunos de baixa renda na Faculdade de Medicina da USP, lembra que, como o volume de conteúdo cobrado é muito grande, é fundamental resolver as provas antigas até para sentir o nível de dificuldade. “A distribuição das questões também tem sido padronizada. É melhor pegar as provas antigas do que investir em simulados, por exemplo, porque, por mais que eles tentem reproduzir o modelo da Fuvest, nunca vai ser igual.”

Para Mariana, as questões da Fuvest são diferentes das dos outros vestibulares, pois “demandam uma intepretação mais profunda.” “Não são absurdamente mais difíceis, mas exigem treino”, diz ela, que passou em primeiro lugar no curso de Letras na Fuvest do ano passado.

Dê mais atenção para a Língua Portuguesa

Padovez lembra que nesta primeira fase da Fuvest há maior predomínio de questões de Língua Portuguesa, por isso é importante dedicar tempo para estudar esta disciplina. “As pessoas negligenciam o português porque sabem falar, mas a gramática e interpretação são outras abordagens da língua.”

Para o universitário que também dá aulas no Med Ensina, estar afiado na Língua Portuguesa é um “tiro certeiro” inclusive para a segunda fase do vestibular. “Agora na segunda fase são só dois dias de provas (antes eram três) e vai ter português novamente, além de redação.”

Para o professor Tony Manzi, embora o momento ainda seja de revisão e últimas dúvidas, não dá mais para “estudar o que não sabe”. “Deixe fresco na memória o que você já sabe ou o que é de dificuldade mediana. Não dá para se aprofundar na matéria agora.”

Se não leu as obras obrigatórias, busque vídeos e resumos

A leitura das obras obrigatórias é fundamental para que os candidatos respondam às questões com mais propriedade e segurança.

Entretanto, para quem não leu os nove livros exigidos (Iracema; Memórias Póstumas de Brás Cubas; A Relíquia; O Cortiço; Vidas Secas; Minha Vida de Menina; Claro Enigma; Sagarana e Mayombe), vale a pena nesta reta final procurar resumos, palestras ou vídeos.

“No ano passado, a biblioteca Mário de Andrade ofereceu palestras sobre os livros e colocou o vídeo das palestras no Youtube. Acho que pode ajudar tanto quem leu como quem não leu”, afirma Mariana.

Esqueça os resultados anteriores

A Fuvest encerra a primeira fase da maratona de provas que começa com o Enem e depois continua com o vestibular da Unesp e Unicamp. O candidato que passou por todos esses vestibulares pode se sentir cansado ou, ainda, desmotivado caso tenha ido mal em algum deles.

A dica de Tony Manzi, no entanto, é encarar a Fuvest como uma nova prova, tentando esquecer os supostos erros do passado. “É tipo Fórmula 1, cada prova é diferente da outra, agora é um novo desafio, é levantar a cabeça e ir em frente. O aluno pode até estar mais cansado, mas também está mais treinado”, afirma.

Tire o sábado para descansar

Estudar na véspera da prova é um erro crucial, segundo os professores. O tempo é ínfimo para aprender algo e agregar conteúdo e corre-se o risco de aumentar a ansiedade, causando mais pânico.

“Tire o sábado para descansar, assistir documentário, ir para um parque ou passear. Tente relaxar, porque a prova é bem cansativa”, diz Manzi.

Exerça a autoconfiança

Para muitos candidatos, esta é a prova principal do ano, pois está em jogo uma vaga na USP.

“Isso demanda muita energia mental, mas é preciso entender que esta é só mais uma prova e que o aluno se preparou ao longo do ano. É hora de frisar a autoconfiança e o reconhecimento do trabalho de preparação”, afirma Pavodez.

Quando fez a Fuvest em 2015, ele diz que ficou muito ansioso nos dias que antecederam, teve até dificuldade para dormir, mas no dia estava mais tranquilo. “A Fuvest é a última do ciclo de provas, e estava mais relaxado porque conhecia o modelo. Achei a prova interessante.”

No dia da prova, priorize as questões mais fáceis e atente-se ao tempo

Para Mariana Barbosa, uma técnica que funcionou foi a de priorizar as questões que ela considerava mais fáceis e deixar por último as que tinha mais dificuldade, garantindo as chances de acerto. O chute, às vezes, é inevitável.

“É preciso saber que ninguém vai saber a reposta das 90 questões, uma ou outra todo mundo chuta por eliminação entre as alternativas.”

A universitária diz que é fundamental ficar atenta ao tempo de prova e reservar pelo menos 30 minutos para o preenchimento do gabarito. “Parece algo rápido de se fazer, mas não é.”

Até sábado também vale visitar o local de prova, que deve ser consultado no site da Fuvest, e, ao sair de casa no domingo, prever que o tempo de deslocamento pode ser mais longo, pois as linhas de ônibus costumam ser mais escassas e pode haver interdições para eventos esportivos e ciclovias. Também é fundamental separar documento de identificação original, canetas, pequenos lanches e água para a prova.

Cronograma Fuvest 2019

A lista de candidatos convocados para a segunda fase do vestibular será divulgada no dia 10 de dezembro.

As provas da segunda etapa serão aplicadas em 6 e 7 de janeiro de 2019. O resultado da primeira chamada sai em 24 de janeiro.

Fonte: G1

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários