Não é novidade que o processo seletivo para entrar em uma consultoria estratégica global é muito competitivo. “Não é porque você foi o melhor aluno em toda sua vida acadêmica que você vai tirar de letra. A recomendação que damos é: se prepare”, diz ao Na Prática Christian Orglmeister, sócio e diretor do The Boston Consulting Group no Brasil – uma das principais consultorias estratégicas do mundo. Ele exemplifica essa necessidade de preparação com sua própria trajetória.

“Tentei o BCG logo que saí da faculdade, e não entrei. Depois de dois anos, tentei novamente, e não passei de novo. Só fui entrar na empresa bem depois, já como gerente de projetos. Eu me lembro direitinho de quando recebi o primeiro não. Eu realmente queria trabalhar no BCG, e aquilo me doeu muito. É duro quando você leva uma pancada dessa no começo da sua carreira. Mas ao mesmo tempo foi um aprendizado muito grande, pois vi que precisava levar mais a sério o processo e colocar mais esforço na preparação para conseguir entrar”, conta.

Aos que sonham em trabalhar no setor, ele explica o que busca no jovem profissional: “A história que a gente quer que você conte não é: ‘eu fiz isso’. A gente quer que você conte o que aprendeu, que situação enfrentou, o que tirou disso para sua vida, por que isso te transformou em uma pessoa diferente. Buscamos pessoas que estão sempre aprendendo. Esse é o perfil do consultor: alguém que, em tudo o que faz, está se desenvolvendo e se tornando uma pessoa melhor”.

Christian admite que é mais fácil encontrar um jovem consultor em escolas de economia, engenharia e administração. Mas destaca que a empresa valoriza muito profissionais com backgrounds e ideias diferentes. “Já passaram pelo BCG advogados, teólogos, biólogos, médicos. A gente adora quando chega um currículo diferente. Buscamos conhecer essas pessoas e entender por que elas querem construir algo aqui dentro”, destaca.

Para ele, o estágio é uma importante porta de entrada na consultoria. “Esse é o melhor momento para você testar. Não só para conhecer as possibilidades de trabalho, mas também se conhecer, saber aquilo de que você gosta”, diz. “E a consultoria estratégica permite que uma pessoa recém-formada, com relativa baixa experiência, seja colocada em situações que realmente lhe puxam para frente. Você tem que abraçar o desafio, mergulhar de cabeça e crescer. Você aprende muito sendo exposto a pessoas que vão te ensinar bastante coisa.”

No BCG, Christian liderou projetos de estratégia de negócios, governança corporativa, desenvolvimento do time de liderança, redesenho organizacional e melhoria de desempenho operacional. Em sua carreira, trabalhou com a alta gestão de grandes grupos nacionais e multinacionais em diversos setores como mineração, petróleo e gás, construção, bens de consumo, educação, setor público, automobilístico, aviação, saúde, bancos e telecomunicações.

Antes de se juntar à equipe da empresa, em 2006, Christian trabalhou na indústria, em outras consultorias e chegou até a empreender na área de logística. Ele é graduado em Engenharia de Produção pela Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) de São Paulo e pós-graduado em Administração de Empresas pela FGV-SP. Obteve seu MBA pela TRIUM – aliança das escolas London School of Economics (LSE), NYU-Stern e HEC-Paris – curso que lhe deu a oportunidade de estudar nos EUA, França, Inglaterra, China e Índia.

Fonte: Exame.com

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários