Momento ímpar brasileiro

15
abr|2011


O Brasil tem tido as menores taxas de desempregos e segundo economistas, o mercado de trabalho brasileiro se encontra no seu melhor momento nos últimos 15 anos e estamos praticamente a pleno emprego. Mas o que significa “pleno emprego”?

Em Economia, significa que estamos utilizando todos os recursos disponíveis a preços de equilíbrio e, muito embora essa expressão seja bastante utilizada na área econômica, “pleno emprego” em linguagem coloquial tem a ver com todos os trabalhadores e o mercado de trabalho.

Pleno emprego é uma situação em que todos os recursos humanos disponíveis estão sendo utilizados de forma economicamente eficiente, absorvendo a maior quantidade de mão de obra qualificada e não qualificada, que poderia ser utilizada dentro de uma economia em determinado momento.

O restante é o desemprego ficcional, ou seja, a quantidade de desempregados que, em sua maioria, estão em trânsito entre empregos, mas que continuam buscando uma recolocação no mercado de trabalho.

Muitos economistas estimam que o pleno emprego é a quantidade de desemprego ficcional que varia entre 2% e 7% da força de trabalho. Outros dizem que 5% de pessoas desempregadas já caracterizam pleno emprego.

Este número é calculado com base na PEA (População Economicamente Ativa), que compreende o potencial de mão de obra  com que o setor produtivo pode contar, tanto empregados quanto desempregados, mas com potencial para se empregar, trabalhar e produzir.

Nossa PEA hoje gira em torno de 47% da população, ou seja, estamos falando em algo como 91 milhões de brasileiros. Os outros, cerca de 102 milhões, fazem parte da PEI (População Economicamente Inativa), que são as pessoas incapacitadas para o trabalho ou que desistiram de trabalhar, bem como inválidos, estudantes, crianças, pessoas que cuidam de afazeres domésticos e até mesmo os desalentados, que são as pessoas que, muito embora estejam em idade ativa,  já não buscam trabalho.

Mas, então, como anda nossa taxa de desemprego? Muito embora em fevereiro de 2011 ela estivesse em 6,4%, em dezembro de 2010 chegou a apenas 5,3% . Tudo indica que esta taxa continuará girando em torno deste patamar e, a meu ver, tem grandes chances de cair.

Sendo assim, é possível concluir que o Brasil tem hoje aproximadamente 6 milhões de pessoas desempregadas. Pode parecer um número grande ainda, porém podemos considerá-lo pequeno frente ao tamanho do nosso país.

No entanto, com tantos ventos a favor, sem dúvida vivemos um cenário nunca antes vivido na economia brasileira, que, até então, era famosa pela sua alta taxa de desemprego e futuro incerto.

Mas vivemos num momento ímpar. O Brasil é um dos quatro países emergentes do mundo, que formam o bloco hoje em dia conhecido como BRIC: Brasil, Rússia, Índia e China. E ao meu ver é o que mais se destaca e o que vem demonstrando a maior e melhor musculatura econômica dentre todos. Dentre todos aquele que reúne as melhores condições atuais e de futuro para continuar crescendo.

Vou explicar porque, mas antes de falarmos sobre o Brasil, é interessante compreender um pouco mais sobre estes outros três países.

A Índia tem sérios problemas internos. Com mais de um bilhão de habitantes (1.095.351.995 habitantes) a grande maioria é pobre ou miserável e fora dos grandes centros urbanos, o cenário é de pobreza extrema. Além disso, ela está toda subdividida em grupos etnolinguísticos, o que dificulta a fluidez da comunicação interna.

O regime de castas impede a ascensão das classes mais baixas, muito diferentemente do que aconteceu aqui no Brasil com as classes C e D. Quem nasce numa casta ficará nela a vida toda, fazendo com que aqueles que nascem pobres pensem que devem ser pobres pelo resto da vida. Isso complica muito o crescimento deste país, pois muitos deles não têm ambição e se contentam com o que têm. Ou seja, a mudança desta realidade não acontecerá a curto prazo.

Além disso, a Índia é o país com o maior índice de analfabetismo, com 34,9% da população analfabeta (cerca de 350 milhões de habitantes) dentre os quatro do BRIC.

Mesmo com programas de planejamento familiar e de controle da taxa de natalidade, o número de nascimentos continua muito elevado quando comparado com o crescimento econômico capaz de melhorar os padrões de vida da maior parte da população.

Além do fato da Índia ser o segundo país mais populoso do mundo,  estudos apontam que ela irá ultrapassar a China até 2035. No entanto, crescer nestas condições é aumentar ainda mais o problema. Pesquisas indicam que 22% dos miseráveis do mundo estão na Índia. Em resumo, muito embora a Índia seja um país emergente, sua grande miséria rema contra ela e prejudica a aceleração do seu crescimento.

Já a Rússia vem de um longo período de socialismo e, pelo fato de ter ficado tanto tempo fechada para o mundo, também se encontra com grandes problemas, desorganizada internamente e com dificuldades para crescer rapidamente.

Muito embora tenham uma grande extensão territorial, o frio é predominante e chega a ser extremo na maior parte do ano, o que dificulta muito a agricultura. Ainda sofre muito com movimentos de independência por ser uma unificação de povos diferentes e rivais. Tudo isso afasta investidores e dificulta seu crescimento.

A China também sofre com o fato de ter vários grupos etnolinguísticos, que a subdividem internamente. Assim como a Índia, o país encontra dificuldade na fluidez da comunicação interna. Assim como a Rússia, também sofre com movimentos de independência de etnias rivais. No entanto, é um país extremamente populoso e que está mudando seu quadro agora, partindo de um cenário em que a maior parcela da população era muito pobre. Muito embora de grande extensão territorial, necessita importar muita matéria-prima para seu crescimento.

E o Brasil?

Bem, para começar, podemos dizer que o Brasil não sofre com guerras internas, possui um único idioma em toda sua extensão e a maior reserva de água potável do mundo. Além disso, é abundante em riqueza de minérios, sendo um dos maiores exportadores do mundo. Com um clima bom praticamente durante todo o ano e um excelente solo para plantação, é também um dos principais produtores de gêneros alimentícios do mundo. Está praticamente livre de desastres naturais mais severos como terremotos, tsunamis, furacões, tufões ou vulcões.

O Brasil é um país pacífico e não possui inimizade com praticamente nenhuma outra nação. Por ser um país tropical e por ter uma enorme costa marítima, tem muitas praias e uma grande chance de aumentar seu turismo. E, falando em turismo, teremos pela frente o privilégio de sediar uma Copa do Mundo em 2014 e uma Olimpíada em 2016, o que obrigará a melhorar a infraestrutura das principais capitais do país. Nossa economia está estabilizada já há um bom tempo e tem se tornado cada vez mais sólida. Nossa moeda, o real, vem melhorando frente às outras moedas e ficando cada vez mais forte e respeitada.

Além disso, o C6 (EUA, Inglaterra, França, Alemanha, Itália e Japão), grupo dos maiores investidores do mundo, não entende o alfabeto da Rússia, Índia e China.

Também tivemos o privilégio de ser capa das duas edições mais vendidas da revista The Economist, desde 1840, ambas com matérias sobre o Brasil:

De 14 a 20 de novembro de 2009
De 11 a 17 de novembro de 2009
The Economist - Ninguém é mais quintal de ninguém (O crescimento da América Latina)


Por isso, o Brasil tem atraído cada vez mais capital estrangeiro e aumentado o desejo destes em investir em nosso país, quando comparado com Rússia, Índia e China, resultando em mais indústrias e mais construção civil.

E por falar em construção civíl, nosso mercado imobiliário vem crescendo como nenhum outro no mundo e demonstrou um crescimento de mais de 300% no último ano, tendo sido o que mais cresceu dentre todos do mundo!

E por falar em indústrias, estou sendo surpreendido  - eu pelo menos estou – com o bom governo da nossa primeira Presidente da República do sexo feminino, Dilma Rousseff, que de uma maneira discreta, vem se colocando de forma firme frente aos problemas e fazendo bons acordos políticos ao redor do mundo, como, por exemplo, este último acordo com a China, que trará mais 12 bilhões de dólares de investimento para a construção de uma fábrica de iPad aqui no Brasil.

Por todos estes assuntos, o Brasil tem sido cada vez mais notícia ao redor do mundo e Hollywood até fez um filme (desenho) sobre nós, o Rio.

Por tudo isso eu sinto que nossa economia não irá fraquejar, nem tão pouco a geração de empregos parece que vai diminuir e para mim, o Brasil é o país emergente com maior destaque dentre os do BRIC.

Sem dúvida vivemos num momento ímpar e todos nós, brasileiros, podemos comemorar, pois tudo indica que teremos bons anos pela frente.

Frente a toda esta necessidade de mão de obra, a Curriculum tem a oferecer um excelente serviço tanto às empresas que precisam contratar bem, quanto às pessoas que buscam seus novos empregos.

Temos, neste momento, mais de meio milhão de vagas, 6 milhões de candidatos e mais de 100 mil empresas utilizando nosso sistema e isso nos torna o site com a maior oferta de empregos e também a maior base de candidatos da América Latina.

Tudo isso nos orgulha muito, pois nestes tempos de economia aquecida e mão de obra escassa, nossos serviços se tornam cada vez mais importantes e valiosos para as empresas que vêm buscar candidatos aqui na Curriculum, o que impacta e ajuda diretamente nossos candidatos, que são encontrados e conquistam seus novos empregos.

Comentários
Compartilhe
com seus amigos