Um novo estudo realizado por uma consultoria sugere que o mercado de trabalho para executivos começa a dar os primeiros sinais de melhora em meio à grave crise econômica instalada no país.

Segundo o levantamento, houve avanço de quase 19% nas posições abertas no primeiro semestre de 2016, em contraste com as vagas oferecidas nos primeiros seis meses de 2015.

Na comparação, o número de oportunidades saltou de 1.751 para 2.077. O mapeamento se restringe a cargos executivos de média e alta gestão nas regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Para Rafael Souto, CEO da consultoria responsável pela pesquisa, é cedo para falar em reaquecimento do mercado. Ainda assim, os dados mostram um movimento pequeno, porém interessante por parte dos empregadores.

“Ainda que os indicadores econômicos continuem muito ruins, o humor das empresas começa a melhorar”, explica ele. “A sensação de fundo do poço está cedendo espaço para previsões mais otimistas para 2017, o que dá novo fôlego para contratações”.

O especialista ressalta, porém, que os salários dos executivos contratados nessa “onda de otimismo” estão mais baixos. Em média, há uma queda de 16% na remuneração dos executivos que conseguem uma recolocação.

O levantamento aponta para uma realidade que apenas começa a se delinear. De acordo com os dados, os resultados positivos apareceram sobretudo no 2º trimestre de 2016.

Ainda assim, em dois anos de medição, esta é a primeira vez em que as oportunidades para executivos entram numa curva levemente ascendente.

“A melhora da perspectiva econômica com as recentes movimentações pelas quais o país passou sinaliza que as empresas estão apostando num novo cenário”, diz Souto.

Áreas 
A principal evidência da tímida reação à crise, diz Souto, é o aumento de 16% no número de vagas de nível intermediário em marketing e vendas. “Com a crise, as empresas cortaram muitas posições nessa área”, explica. “Agora, estão voltando a contratar vendedores, um movimento necessário para retomar o crescimento”.

Para ele, algumas companhias decidiram apostar em pessoal agora para colher resultados no ano que vem. “Elas não acreditam no segundo semestre de 2016, mas estão olhando a longo prazo, com a previsão de crescimento do PIB em 2017”, diz ele.

Em finanças, houve aumento de 14% no número de posições de alta gestão e 31% de crescimento nas vagas intermediárias. Não seria um mero reflexo da crise, já que o departamento costuma executar medidas como cortes e reestruturações? Sim, mas não apenas por isso, responde Souto.

“Apesar de muitas vagas em finanças ainda estarem ligadas à própria recessão, há uma mudança qualitativa no discurso dos recrutadores”, explica. “Hoje eles não falam só em ‘corte’ ou ‘enxugamento’, eles querem alguém para alavancar indicadores, capaz de levar o negócio para frente”.

Já o departamento de recursos humanos registrou aumento de 62% na contratação para posições de média gerência. “Os executivos de RH estão sendo contratados sobretudo para reverter a queda no engajamento e na produtividade dos funcionários por causa da crise”, afirma Souto. “As empresas querem ter uma equipe treinada e motivada quando a economia voltar a crescer”.

Na área jurídica, as oportunidades para alta gestão tiveram aumento de 44%. Um dos motivos é o fato de que a área participa diretamente das reestruturações, frequentes em meio à crise. Porém, os dados também podem refletir uma tendência no mercado de direito empresarial dos últimos 5 anos: a reversão de uma onda de terceirizações nas empresas.

“As empresas perceberam que não é uma boa ideia terceirizar o cérebro jurídico, porque isso cria uma relação de dependência muito grande com os escritórios, e afasta as decisões dos objetivos de negócio”, explica Souto. “Por isso, voltaram a internalizar o departamento e contratar gestores”.

As oportunidades na indústria, por outro lado, continuam em baixa. As contratações para alta gestão tiveram queda no período analisado pelo estudo, e as perspectivas para o próximo semestre continuam desanimadoras.

Fonte: Exame.com 

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários