Podemos afirmar que uma das maiores angustia de um estudante universitário de quase todas as áreas específicas, é o que vai acontecer após a finalização do curso, e se realmente conseguirá um lugar dentro do mercado de trabalho, e quanto tempo isso vai levar, e como todo esse processo se desenrolará.

Dentro da universidade convivemos com o sonho do nosso primeiro dia de graduado efetivamente, e o nosso primeiro dia no novo trabalho, ou novas oportunidades que conseguimos pelos méritos de ter se capacitado (teoricamente na maioria dos cursos) durante talvez três, quatro, cinco ou seis anos, e começar a exercer as atividades que nos dedicamos dia após dia nos livros e nas aulas e estágios.

Mas como diz aquele famoso poema de Carlos Drummond de Andrade escrito em 1928, “No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho, tinha uma pedra no meio do caminho tinha uma pedra”, e essa pedra está no caminho de quase todos os recém graduados, e ela se chama experiência profissional, ou sendo mais direto a falta dela.

Como profissional não encontrei essa “pedra no meio do caminho” por já está empregado em uma gigante corporação que me apoiou direcionando-me as funções devidas e com os acréscimos salariais correspondentes, sendo que essa não é a realidade da maioria dos estudantes e principalmente hoje dentro de um país em visível recessão e aumento do desemprego.

Estamos vivendo em um momento profissional muito preocupante, onde as empresas estão se utilizando da “lei da oferta e da procura” para reduzir drasticamente os níveis salariais e principalmente para contratar profissionais de alto nível acadêmico e profissional por valores bem abaixo do mercado aproveitando-se do alto índice de desemprego.

Uma aposta que sempre será muito arriscado profissionalmente falando, será o desafio de ingressar em cursos mais específicos e técnicos sem ter nenhuma experiência na área e nem estando empregado em uma empresa que te dê esse suporte quando concluir a graduação; posso citar como cursos mais específicos como o curso de economia, ciências contábeis, engenharia, enfermagem, entre outras, pois são áreas que sempre se vê  em anúncios de vagas termos como “experiência comprovada” ou “necessário experiência”.

Sempre fiz aquele famoso questionamento que praticamente todos fazem, “Como irei adquirir experiência se não tenho a oportunidade”, as vezes o mercado de trabalho se comporta como uma “panelinha dos experientes”, sendo desprezado totalmente a qualificação acadêmica.

E sem falar também da nítida queda do prestígio dos cursos de graduação pelo fato da popularização dos mesmos, pois na época dos meus pais ter um curso superior era uma vitória a níveis de reunir família inteira para comemorar, e hoje é visto como quase que uma obrigação para se conseguir vagas a níveis melhores e talvez nem tão melhores assim, pois já é recorrente profissionais até pós graduados participando de seleções de cargos de nível de assistentes.

A questão principal é que uma complementa a outra, ou seja, a formação acadêmica complementa a experiência e a experiência complementa a formação acadêmica e ponto final; no entanto durante 15 anos de mercado de trabalho pude perceber que atualmente em uma seleção de emprego entre um profissional apenas graduado e outro apenas com a experiência, com certeza o profissional com experiência ficará com a vaga.

A verdade é que existem diversos fatores no que diz respeito a essa escolha, e uma delas é o imediatismo corporativo, pois não há tempo viável para apostar em um profissional inexperiente e ainda correr o risco dele não conseguir absorver as atividades e sem contar com os altos índices de erros que poderão ocorrer nesse processo dentre várias outras premissas.

Diante dessa questão tenho três conselhos que pode ajudar dentro desse viés:

Conselho n. 01 – Lembre-se que formação acadêmica e experiência precisam andar juntas para o seu sucesso profissional, e na maioria das vezes não adiantará se graduar em diversas áreas se você não adquiriu experiência nenhuma, pois em uma seleção de emprego acontecerá o que já foi falado acima, ou seja, na maioria das vezes na escolha entre um profissional apenas graduado e outro apenas com a experiência, com certeza o profissional com experiência ficará com a vaga; no entanto não pare a caminhada de formação e capacitação por falta de oportunidades, pois isso poderá trazer ainda maiores prejuízos em sua carreira.

Conselho n. 02 – Quando ingressar em uma universidade tenha em mente a partir desse momento que seu foco será conseguir um estágio, principalmente quando seu curso não oferece-lo dentro da grade curricular, pois o estágio é a porta principal para um profissional em formação no percurso de adquirir a experiência necessária para alcançar a tão almejada carreira profissional bem sucedida.

Conselho n. 03 – Quando um estágio for inviável, invista e corra atrás de oportunidades de empregos relacionadas a sua área de formação, aceitando oportunidades a níveis de auxiliar se for necessário, pois com certeza se você se dedicar e fazer um bom trabalho será questão de tempo para ser reconhecido e conseguir ascensão em funções de alto escalão, sem contar que você terá a tão sonhada experiência em seu “know how” e currículo e conseguirá melhores oportunidades quando formado, pois o que mais acontece atualmente são profissionais que já são graduados tendo que começar em funções de auxiliar pra conseguir se inserir dentro do mercado de trabalho.

Fonte: Administradores

Em busca de novas oportunidades de trabalho?
Milhares de vagas esperam por você.
Clique aqui e boa sorte!
Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários