Jovens consideram que as condições de trabalho pioraram bastante.

Acostumados a trocar de emprego em busca de desafios e desenvolvimento profissional constantes, a chamada geração Y – jovens nascidos entre as décadas de 80 e 90 – começa a se deparar com o fantasma do desemprego, que começou a bater à porta dos brasileiros com mais intensidade este ano.

Esses jovens cresceram em um período de prosperidade econômica. Pelo fato de mudarem constantemente de emprego, levaram até as empresas a pensar em estratégias para segurar talentos. Mas agora eles enfrentam a alta na taxa de desemprego no país, que aumenta principalmente entre os jovens.

Entre maio do ano passado e maio deste ano, o desemprego subiu de 4,9% para 6,7%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E a intensidade desse crescimento foi mais forte entre os jovens de 18 a 24 anos. Nesta faixa de idade, a taxa de desocupação passou de 12,3% em maio de 2014 para 16,4% em 2015. Ainda segundo o IBGE, em maio deste ano, o grupo de 18 a 24 anos representava 32% da população desocupada, e o de 25 a 49 anos, 51,1%.

E a rotatividade entre os jovens, antes pesadelo das empresas, começou a cair. Segundo dados do Ministério do Trabalho, em 2011, o índice entre os jovens de 18 a 29 anos que mudavam frequentemente de emprego era de 55%, ante 44% entre toda a população empregada formalmente. O cenário, entretanto, mudou, com a redução no ritmo de criação de vagas ao longo de 2014. No ano passado, o índice de rotatividade nesse grupo foi de 49%, bem próximo do índice geral, de 44%.

Uma semana no emprego

Renato Della Colleta, de 32 anos, se encaixa no perfil inquieto dos jovens da geração Y – ele já mudou de emprego 11 vezes em cerca de 10 anos por melhores oportunidades profissionais e salários. Só no mês passado, ele pediu demissão duas vezes. Em seu último emprego, o graduado em propaganda e marketing ficou apenas uma semana.

Ele conta que pediu demissão do emprego anterior, onde havia permanecido por um ano e 7 meses, para finalmente realizar seu sonho de ser gestor. No entanto, ele reclama que as empresas estão enxugando o quadro de pessoal. Assim, menos pessoas fazem as mesmas atividades feitas anteriormente por mais gente. “Me demiti da empresa anterior, pois teria a chance de alcançar um cargo maior, mas não tinha ideia de que esse novo cargo era para no mínimo duas pessoas e, em uma semana de trabalho, fui cobrado por resultados que era impossível obter nesse curto período”, diz.

Colleta acredita que as condições de mercado de trabalho hoje são as piores dos últimos anos. “Antes de decidir aceitar a última proposta e pedir demissão eu senti muito medo, a cada dia vemos mais amigos e conhecidos serem demitidos e nos cadernos de empregos dos jornais é deprimente. Nas últimas três semanas surgiram duas vagas na área de criação, com cargos e salários inferiores. A média antes era quase o triplo de vagas”, lamenta. E se vê pessimista ante o futuro do país. “Acredito que a situação deve piorar, a economia do país parou de crescer, tornando inevitável o fechamento de vagas ou, até pior, o de empresas.”

Agora, Colleta pensa em mudar de profissão e ir para a área de beleza. Ele pretende fazer um curso profissionalizante e, assim, seguir a carreira dos seus pais, que são cabeleireiros.

Desempregado desde maio

Leonardo Marchetti, 32 anos, já trocou de emprego em busca de novos desafios, mas atualmente sofre com o desemprego que bateu à sua porta, depois que a empresa em que trabalhava ter promovido um corte de vagas.

Desde maio, ele tem sentido dificuldade em voltar ao mercado. Formado em gestão de comércio eletrônico, ele não considera que tenha havido diminuição de vagas. “Mas muitas empresas estão buscando pessoas menos qualificadas para reduzir os salários. Acredito que a crise que estamos enfrentando no país contribui, e muito, para isso acontecer. O que causa um medo nas pessoas de perder seus empregos, aceitando fazer hora extra, por exemplo”, diz.

Marchetti compartilha da opinião de Colleta, de que as empresas estão atribuindo mais funções aos funcionários em consequência da redução do quadro de funcionários. “Isso aconteceu comigo e não houve valorização por eu ter dado conta de otimizar processos e aumentar a receita do setor”, diz.

Marchetti não acha que as pessoas da sua geração tendem a parar de querer mudar de emprego com o aumento do desemprego por medo de não conseguir trabalho tão facilmente como antes. “Acredito que elas só não estão se arriscando a ficar sem emprego até chegar a um que satisfaça seus objetivos profissionais aliados à satisfação pessoal”, afirma.

Ele continua na busca por um emprego, mas cogita passar a trabalhar por conta própria, abrindo uma microempresa. Além do comércio eletrônico, Marchetti tem experiência como analista de estilo e de marketing e em produção de conteúdo para redes sociais. “Dez em cada 10 profissionais pensam em trabalhar por conta própria, por faltar realização profissional na maioria das empresas hoje em dia. Vagas que subestimam a capacidade das pessoas. O bom é que trabalha menos e ganha o mesmo tanto ou mais, há flexibilidade de horários e você trabalha pra você”, defende.

Aceitou salário menor

Camilla Freitas Nogueira Barbosa, de 33 anos, foi demitida duas semanas antes de sair de férias por corte de vagas em sua empresa. Logo depois de voltar da viagem que já estava marcada antes da demissão, fez uma entrevista e foi escolhida para outra vaga. A analista de marketing confessa que não esperava encontrar emprego tão rapidamente. Mas ela tentou negociar com a nova empresa para receber pelo menos o mesmo salário do emprego anterior, mas acabou aceitando um valor mais baixo.

“Aceitei, pois achei uma boa empresa, um ótimo desafio, voltei a fazer o que gosto e também fiquei com medo de recusar por causa do salário e ficar sem emprego por muito tempo”, conta.

A especialista em marketing diz que já trocou de emprego quatro vezes, por propostas melhores de crescimento profissional e salário.

Camilla acha que as empresas estão cada vez mais sobrecarregando os funcionários de trabalho. “Na penúltima empresa, saíram duas pessoas da minha área e eu absorvi todo o trabalho, sem que eles contratassem mais gente, e não aumentaram o meu salário. Na última empresa isso acontecia direto, não comigo, mas em vários departamentos”, conta.

Para Camilla, “os jovens da geração Y não arriscam mais sair de um trabalho, ficar em casa e procurar outro. Elas preferem procurar outro trabalho trabalhando”.

Apesar do cenário desanimador, a analista acha que essa fase ruim da economia vai melhorar. “Como todas as outras que já vivemos. Sempre achamos que a crise atual é a pior. Quando ela passa, a maioria das pessoas nem lembram mais. Então, bola pra frente, fazer as coisas darem certo e pensar que vai melhorar”.

Por Marta Cavallini / Fonte: G1

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários