Cinco dicas para aperfeiçoar seu discurso, seja em um auditório lotado ou numa pequena sala de reuniões.

Felipe (nome fictício, história real) é diretor de uma grande empresa de consultoria. Jovem, ambicioso, competente, ele tem potencial para avançar na carreira. Mas terá, antes, de corrigir um problema: sua voz passa pouca confiança e energia, o que atrapalha o relacionamento com os clientes.  Quem me confidenciou a “falha” de Felipe foi um dos sócios da empresa, visivelmente preocupado com o futuro do rapaz. “Sua trajetória profissional vai estagnar se ele não aprender a ser mais convincente em suas apresentações”, diz o sócio. “O conteúdo até que é bom, mas a forma…”

Falar em público faz parte da nossa vida. A cada mês, estima-se que 1 bilhão de apresentações (em grandes auditórios ou em salas de reunião) são feitas no mundo. Portanto, tornar nossas ideias mais relevantes, mais compreensíveis e aumentar nossa capacidade de persuasão é algo vital nos dias de hoje.  O problema é que fazer isso exige treinamento – e paciência.

“A voz, a entonação, a maneira e o ritmo com que pronunciamos as palavras é tão importante quanto o conteúdo. A voz pode potencializar ou destruir uma apresentação”, diz Bernadette O´Brien, atriz, terapeuta e coach de voz para empresários, professores, atores e músicos.  Baseada na Inglaterra, ela conduz workshops em várias partes do mundo, além de ser professora de Voz Expressiva no Rose Bruford College, em Kent, na Inglaterra. “Minha metodologia procura estimular os alunos a descobrir e desenvolver qualidades essenciais na voz, conectando-a com a postura corporal para tornar a comunicação mais eficiente”.

Passei um dia com Bernadette praticando e avaliando diversos exercícios para aumentar o poder da minha voz e, por tabela, das apresentações. Separei seis dicas para compartilhar com você.

  1. Converse com a sua “voz crítica”. Todos nós temos um lado crítico que pode inibir uma performance superior nas apresentações. É aquela voz interior que diz não ser possível ou que não estamos preparados ou que definitivamente não levamos jeito para a coisa. Rejeitar essa sensação só aumenta o medo. O melhor caminho, segundo Bernadette, é “conversar” com a voz crítica. Para acessá-la, vale a dica: comece por sentir seus pés bem fixos no chão e vá aumentando a percepção de cada parte do seu corpo. Concentre se na respiração, percebendo seu fluxo, e coloque as duas mãos sobre o abdome. Então, dê uma sacudida em todo corpo deixando os pensamentos negativos irem embora. Isso permite que você esteja presente e disponível para sua audiência, tornando-o mais solto e autêntico. Essa autenticidade irá transparecer em sua voz, aumentando o poder de suas ideias.
  2. Redescubra sua força. Não esqueça de aquecer a voz, assim como fazem os cantores antes de um show. Aquecimento é fundamental para uma performance mais efetiva. Em algum lugar isolado – pode ser no chuveiro ou no seu carro – grite diversas vezes e conheça a potência e o alcance da sua voz. Como um gorila, bata de leve no peito, braço, bochechas e garganta, minutos antes de entrar em cena. Seu corpo e sua voz estarão prontos para fazer a diferença.
  3. Livre-se da boca seca. Boca seca sempre acontece antes de uma apresentação. É sinal de nervosismo. Coloque os lados da língua nos dentes de trás, pressionando-a levemente para encorajar a produção de saliva. Ajuda um bocado.
  4. Pausas são fundamentais. Dê uma pausa breve e respire. Pausas são necessárias e dão a sensação que você está construindo a ideia junto com a audiência. Isso aumenta o engajamento.
  5. Fortaleça uma nova ideia. Cada vez que for colocar uma nova ideia em sua apresentação, mude o tom de voz e o ritmo das palavras. Convém, ainda, mudar de direção, de posicionamento e se conectar visualmente alguém da plateia (ou da reunião). A alteração do tom de voz e do ritmo prepara seu público para receber esse novo tema.
  6. Conecte o tom aos objetivos. Antes de elaborar sua apresentação, é fundamental definir quais os objetivos que quer atingir em cada etapa. Se for falar sobre um projeto novo, aplique um tom de voz mais impactante no começo, mais aconchegante no meio e decisivo no final. Na preparação certifique se que os tons estejam adequados à cada etapa.

No workshop com Bernadette, percebi que a voz é um elemento muito importante e que as técnicas de persuasão também podem ser utilizadas em nossa vida pessoal. Aliás, elas já são usadas diariamente (estamos sempre “vendendo” ideias para nossos pais, amigos, filhos, maridos e esposas…). Outra lição preciosa, talvez a principal delas, é: é fundamental a gente realmente acreditar no que está propondo. Do contrário, não haverá voz que sustente a apresentação.

Por Sergio Chaia * / Fonte: Época Negócios

* Sergio Chaia  foi presidente da Nextel , Sodexho Pass e vice- presidente para a América Latina da Symantec. Participa de diversos conselhos e atualmente é chairman da Óticas Carol. Também é palestrante e autor do livro “Será que é possível?”

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários