Por Claudia Gasparini

O mundo do trabalho mudou drasticamente nos últimos anos, e dicas de carreira tidas como “verdades absolutas” por gerações anteriores já não fazem mais qualquer sentido.

A transformação mais perceptível está nas relações de poder nas empresas, na opinião de Eduardo Ferraz, consultor em gestão de pessoas.

No passado, o peso da hierarquia estava presente nos menores detalhes. “Era preciso um grande ritual, quase uma ‘missa’, para entrar na sala do chefe, por exemplo”, diz ele.

Hoje, os escritórios têm menos paredes e a distância entre os níveis hierárquicos encolheu, num processo que também aproximou os diferentes departamentos da empresa. Resultado: o profissional precisa entender um pouco de todas as áreas e ter uma visão integrada do negócio – uma cobrança que não valeu, na mesma proporção, para gerações anteriores.

Os avanços da tecnologia são o pano de fundo de todas essas mudanças, na visão da especialista em carreira Adriana Gomes. “A informação corre de forma muito mais acelerada e o profissional precisa estar sempre disposto a aprender algo totalmente novo”, diz ela.

As próprias fontes de informação sobre o mercado de trabalho se diversificaram. “Hoje, a internet e as redes sociais são muito mais consultadas do que coaches ou mentores”, diz Ferraz. “Você consegue comparar as suas experiências e ideias com um número muito maior de pessoas”.

Em meio a todas essas mudanças, certas “verdades” consagradas pelos mais velhos sobre a vida profissional perderam sentido. Veja a seguir alguns conselhos cujo prazo de validade já expirou, na visão dos especialistas ouvidos por EXAME.com:

  1. Manda quem pode, obedece quem tem juízo

É perigoso questionar a vontade do chefe? Talvez fosse mais no passado. “As empresas querem pessoas proativas, que se manifestem quando veem algo errado”, explica Ferraz. Se você for chamado para opinar, deve ser sincero: é melhor falar uma bobagem do que parecer omisso, segundo o consultor.

  1. Permaneça o máximo tempo possível com o seu empregador

Adriana explica que, até os anos 1980, a perspectiva de “fazer carreira” num mesmo lugar era a ambição profissional da maioria. Hoje, a estabilidade ainda é valorizada, mas passou a ser questionada quando não inclui aprendizado ou reconhecimento. “Muitos profissionais, principalmente da geração Y, não conseguem mais ficar num emprego só por ficar”, diz ela.

  1. Você precisa esperar 10 anos para ser gerente

A ideia de que existe um prazo mínimo para conseguir uma promoção já caducou. Experiência e tempo de casa já não têm o mesmo peso de antes: basta ver a ascensão de chefes cada vez mais jovens, que chegam até a gerir pessoas mais velhas que eles. “Perfil e desempenho são os fatores que definem as promoções hoje, independentemente do tempo”, afirma Ferraz.

  1. Não importa se você odeia o seu trabalho, o importante é estar empregado

No passado, ter um emprego era simplesmente uma forma de garantir subsistência e status. O significado atual do trabalho para a vida das pessoas é muito mais complexo. Segundo Adriana, a motivação e até a felicidade dependem de fatores mais subjetivos: ou as pessoas entendem o sentido do que estão fazendo, ou acabam se frustrando.

  1. É melhor deixar o chefe “bater o pênalti”

A teoria de que o chefe deve ser a estrela do time está perdendo adeptos, na opinião de Ferraz. Isso porque não há mais tempo para bajulações, num mercado cada vez mais competitivo. “Ninguém mais ganha nada ao deixar o gestor ‘brilhar’ nas reuniões ou assumir como suas as ideias da equipe”, afirma.

  1. O mais importante é demonstrar esforço

“Burros de carga”, na expressão de Ferraz, não impressionam o empregador do século 21. Segundo ele, as empresas preferem profissionais que investem no aperfeiçoamento de suas habilidades àqueles que colocam todas as suas energias nas atividades do dia a dia. “É preciso ser crítico e propor mudanças”, diz. “Esforço, sozinho, já não faz a carreira de ninguém avançar”.

Fonte: Exame.com

Like
Like Love Haha Wow Sad Angry

Comentários

comentários